Ads Top






Concluída desde 2015, UPA de Santa Cruz, RN, nunca funcionou



DO G1/RN

Concluída desde 2015, a Unidade de Pronto Atedimento (UPA) de Santa Cruz, localizada a 120 quilômetros de Natal, é mais uma obra realizada com recursos do Governo Federal no Rio Grande do Norte. Mas ela continua sem prazo para funcionar. Sem uso, o prédio que custou R$ 1,41 milhão já tem parte da estrutura mofada e paredes descascando.

Segundo a Prefeitura, o problema é que falta dinheiro para equipar a UPA e não há qualquer previsão para que haja disponibilidade de recurso. Uma emenda parlamentar foi destinada para esse propósito, mas entrou na lista de contingenciamento do Ministério da Saúde.

A história da UPA é antiga. A construção da estrutura de 984 metros quadrados começou em 2011 e deveria ser concluída em 2012, mas foi abandonado e só retomada em 2013. O novo prazo de entrega era 2014, porém ele também não foi cumprido. O prédio foi entregue apenas no final do ano seguinte.
A Unidade tem capacidade para atender 150 pessoas por dias. Sem funcionar, o atendimento público de saúde se concentra no Hospital Municipal. Lá são atendidos, em média, 250 pacientes por dia - sobrecarga de trabalho para os dois médicos de plantão.


Morador do bairro Paraíso, Elias Pereira conta que a mulher dele adoeceu e teve que ir pro hospital, mesmo tendo a UPA ali, bem perto de casa. O hospital é longe. Nem sempre eles têm dinheiro para pegar mototaxi. "Seria muito bom para a gente, se funcionasse (a UPA)", ressalta.

A dona de casa Genilce Pereira reclamou do um abandono do poder público. "É uma realidade triste, está lá sem uso e poderia ajudar tantas pessoas", considerou.
Segundo a Secretária Municipal de Saúde, Myllena Bulhões, a UPA não funcionou ainda por falta da verba para comprar equipamentos. Recursos foram conseguidos através de uma emenda parlamentar, mas o próprio Ministério da Saúde contigenciou. "Estamos correndo agora para conseguir uma nova emenda", ressaltou. Ela afirmou que não há prazo para conclusão.
Tecnologia do Blogger.